A criança está com o peso indicado para seu gênero, idade e altura? Descubra

Para saber se os pequenos estão obesos ou, ainda, desnutridos, situações que podem afetar a saúde, é preciso calcular o Índice de Massa Corpórea (IMC) infantil. Neste post, realizado em parceria com o Hospital Infantil Sabará, trazemos várias informações pra você.

Não é sempre, mas há um grande risco de crianças muito magrinhas e muito gordinhas estarem desnutridas e, no segundo caso, obesas também, condições que coexistem em 44% dos países do mundo.
Ambas as doenças são silenciosas e, se não tratadas, podem afetar o desenvolvimento infantil. Para conferir a situação da criança é importante calcular o IMC, a medida padrão internacional que, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), detecta o grau de nutrição dos indivíduos.

O cálculo é feito a partir da fórmula que divide a massa corporal pela altura elevada ao quadrado. No entanto, o cálculo do IMC infantil apresenta algumas especificidades: as crianças costumam ter um alto índice de gordura quando são mais jovens e, conforme crescem, tendem a eliminá-la. Outra característica da fase são as diferenças na composição corporal dos meninos e das meninas. Por isso, o IMC infantil considera também a idade e o sexo da criança.

As possibilidades de resultado para o IMC infantil variam. O recomendável é que a criança esteja com o índice normal, entre 18,5 e 24,9. Abaixo de 18,5 pode ser um caso de desnutrição, e acima de 24,9 pode ser tanto sobrepeso quanto obesidade. As consultas regulares ao pediatra não só possibilitam tratamentos que combatam os problemas, como previnem que eles apareçam.

No caso da desnutrição, quanto mais grave ela for, mais alterações a criança terá na composição corporal e no funcionamento do organismo, como a perda de músculos e gordura, provocando debilidade física; desaceleração do crescimento; anemia; má formação óssea; alterações psicológicas, como apatia e depressão; e comprometimento do sistema nervoso.

Já a obesidade, que atinja uma em cada 3 crianças no País, o excesso de peso é apenas um dos sintomas da doença. Existem casos de crianças nessas condições que sentem falta de ar e sofrem com compulsão alimentar.

As consequências da doença tendem a diminuir a expectativa e a qualidade de vida das crianças até que se tornem adultas, pois acarreta em elevados níveis de colesterol e triglicérides; aumenta a pressão arterial; desencadeia diabetes tipo II; e favorece o surgimento de problemas cardíacos. Além disso, o excesso de peso está relacionado à apneia do sono, redução da fertilidade, dificuldades ortopédicas, propensão a alguns tipos de câncer e mais chances de ter um derrame.

A obesidade também pode afetar a saúde emocional da criança que, nessa situação, é vítima fácil do bullying. Ou seja, é preciso muita atenção para detectar qualquer sintoma que indique a desnutrição ou o sobrepeso ou, ainda, a obesidade. Você pode começar clicando aqui para calcular o IMC infantil dos pequenos. Paralelamente, marque uma consulta com o pediatra para sanar qualquer dúvida, caso tenha passado muito tempo desde a última consulta.

Fonte: este post é uma adaptação de artigo da autoria dos profissionais do Hospital Infantil Sabará.

Leia mais

Obesidade infantil também é um tipo de desnutrição. Você sabia?

Obesidade infantil é um problema meu, seu, nosso

Confira a página Desenvolvimento Infantil, da Fundação Maria Cecilia, no canal do Youtube. Acesse, assine o canal e compartilhe o que é preciso saber sobre a primeira infância.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*