A Educação Infantil que faz diferença

Aquele tempo em que a criança pequena era deixada na escola só para dormir e comer enquanto os pais trabalhavam já se foi. Hoje a Educação Infantil é reconhecida como uma das etapas mais importantes ao desenvolvimento do indivíduo. Mas, para ser realmente eficaz, creches e pré-escolas precisam oferecer oportunidades qualificadas. Como é a escola onde você atua?

Especialistas afirmam que a manipulação é a estrutura da Educação Infantil. Por isso, garantir variedade nas atividades e materiais pedagógicos é imprescindível. Tarefas repetitivas, como copiar letras e palavras, não favorecem o aprendizado.

A criança pequena precisa de massinha de modelar, papéis para recortar, tintas para pintar, blocos e peças de construção, joguinhos matemáticos e linguísticos, experiências de Ciências e atividades que explorem a psicomotricidade.

A boa creche ou pré-escola é aquela que tem um projeto pedagógico bem consolidado, que faça sentido à criança, e dedica-se a criar espaços de formação para educadores e cuidadores, além de envolver a família no dia a dia escolar dos filhos e de sua aprendizagem.

Também deve garantir amplo espaço interno e externo, com segurança, e muita higiene, especialmente no refeitório, oferecendo refeições balanceadas, pensadas por uma profissional da área.

As brincadeiras são a base do aprendizado na Educação Infantil. Uma parte delas é direcionada, mas, outra boa parte, tem de ser livre, respeitando o ritmo de cada um.

Parte dos pais (e de educadores) acha que quanto mais tarde a criança for para a escola, melhor. Outra defende que quanto mais cedo, mais ela irá se desenvolver e aproveitar os anos futuros, no Ensino Fundamental.

Uma pesquisa realizada nos EUA acompanhou 1.300 crianças, da maternidade aos doze anos, a cada quatro meses. Metade delas ficou em casa, sendo cuidada pela mãe ou babá. Outra metade foi para a creche ou pré-escola. Os dois grupos foram submetidos a testes para avaliar aprendizados. O grupo que frequentava a escola se saiu melhor em todos eles.

É possível também perceber a diferença entre crianças que frequentaram a Educação Infantil quando chegam ao Ensino Fundamental. Para especialistas que estudam o assunto, elas são mais sociáveis e apresentam um vocabulário bem mais rico.

Além dos requisitos já mencionados, as escolas de Educação Infantil devem respeitar os limites de profissionais por alunos indicados pelo Conselho Nacional da Educação:

Zero a dois anos – oito crianças por educador
Três anos – quinze crianças por educador
Quatro a cinco anos – vinte crianças por educador

O que sua escola tem oferecido à criança pequena? No que ela pode melhorar? Conte aqui pra gente.

Fonte: “Educação Infantil vai além do cuidar”, A Tribuna, fevereiro de 2015

Comments

19
  1. avatar

    Muito interessantes esses relatórios de analise pois deparamos com numeros de alunos ainda muito grandes e harmonicos mas nao cabe a alfabetização de qualidade.Sem contar que a frequencia deixa as vezes a desejar qdo se faz um trabalho permanente e qualitativo numa pré escola.Qdo a familia se faz presente tudo bem quando não há partipação fica complicado otrabalho de professor. tem a questão de contenção de gastos e apoio das instituições para sim ou não de um tabalho de qualificação e resultados pautados numa etica de compromissos diarios.

    • avatar

      Olá, Luciana. Obrigada pelo seu depoimento. Realmente, sem um diálogo constante entre família e escola fica mais difícil alcançar o nível de qualidade no desenvolvimento da criança. Abs

  2. avatar

    A relação professor aluno em termos quantitativos é de fato um importante aspecto a ser observado na educação. o que temos percebido é uma dificuldade, em especial nas escolas particulares de manter essa qualidade, sem aumentar o “custo por aluno”. Infelizmente a grande maioria dos pais optam por uma educação mais “barata”, e não levam em consideração este fato na hora de negociar com as escolas

  3. avatar

    Uma pesquisa realizada nos EUA acompanhou 1.300 crianças, da maternidade aos doze anos, a cada quatro meses.
    Vocês poderiam me passar o link dessa pesquisa?

    • avatar

      Olá, Naylor. Não temos esse link. De que tipo de informação você precisa? Talvez tenhamos outras fontes, mais atuais, para ajudá-la. Abs

  4. avatar

    Bom dia, Estou pensando em mudar meu filho de escola devido ao aprendizado e pensando no futuro. Agora ele tem 5 anos. Estou na duvida enquanto ele é pequeno ate o quinto/ sexto ano por exemplo no quanto vale a pena uma escola muito mais cara, mas que sei que é mais completa, para colocá-lo neste momento. Valeria a pena? Ou poderia colocá-lo nesta escola melhor quando ele entrar no ensino fundamental e futuramente daria na mesma? Obrigada, Gosto muito da fundação de vocês, Abraços

    • avatar

      Paula, o ensino fundamental começa no primeiro ano, aos 6 anos de idade. As mudanças de escola sempre trazem bônus e ônus. Se você conhece a proposta pedagógica dessa nova escola e ela te agrada, mesmo sendo mais cara, por que não já investir na educação de seu filho? Ao mesmo tempo, vale se preparar para a adaptação dele, que pode ser fácil ou com alguns percalços normais, já que é um novo espaço, com novas pessoas e rotinas. Aproveito para agradecer seu carinho e espero que continue conosco. Forte abraço!

  5. avatar

    Olá, em minha cidade Humaitá/AM, a Educação Infantil está sendo rebaixada, pois as turmas de 3 anos não terão mais professores a frente da turma e sim apenas cuidadores. Isso é legalmente aceitável?

  6. avatar

    Quero receber as postagens de vcs por email

  7. avatar

    Nossa inspiração para radicalizar nossa defesa dos direitos na Primeira infância, aconteceu acompanhando a FMCSV. E assim vamos experimentar com a simplicidade que se descobre no povo, mergulhando de corpo e alma, confiando no que a família tem de potencial, bom e promissor aliando à ciência do desenvolvimento infantil. E sem ilusões começamos com os cuidadores/protetores/socializadores de crianças entre 3 e 5 anos que estão nos Centros Municipais de Educação Infantil que estão apenas em um turno do dia. Os pais são igualmente importantes. Ora, as crianças (pretexto) entram também como texto em si valoroso aos extremo porque estão na Primeira Infância (contexto de tempo tão importante e decisivo para o futuro), mas sustentabilidade está justamente na relação de cuidado, carinho e ternura que os pais podem aprender e potencializar em um ambiente que em tudo pode estar dizendo de amor e aprendizagem. Nada tão novo assim, algo mais do que natural nessa faixa etária de 3 a 5 anos. Tecnologia Social nem precisa dizer ou ser como educadores e cientistas pregam. E aí vai o que podemos aprender via Fundação Maria Cecília Vidigal sobre a Primeira Infância, tempo privilegiado para marcar a vida toda, se no tempo certo e veloz for cuidada, amada e protegida, mesmo em situação economicamente desfavorável, mas nem por isso acomodada. O que vale é experimentar como em “laboratório”, viver um ambiente de família aconchegante em espaços domésticos para interações diversas também coletivas e individuais entre pais e filhos. Pais e mães que brincam com os filhos, que contam histórias, esconde-esconde, caretas, coçam costas, cafuné, mão na cabeça, pipoca, até eventualmente comer juntos. Ora tão natural assim, mas distante do projeto político pedagógico da maioria das creches e da Escola aparentemente inútil e sem graça. Nossa experiência com a Casa de Atenção Familiar não é mesmo apenas para crianças, e sim para suas famílias no contra turno do Centro Municipal de Educação Infantil. Ora a Educação Infantil não é de tempo integral e aí se somam esforços em dois ambientes diferentes e dois turnos. Claro que a qualidade se quer nos dois, e a experiência pode mostrar como se pratica a intersetorialidade com a mesma criança – EDUCAÇÃO E ASSISTÊNCIA SOCIAL. E assim começamos com os 2 CMEIs Graciliano Ramos e Hermann Gmeiner. Vamos avançando e monitorando essa ousadia da simplicidade, perseguindo com atrevida vontade os Orientadores Sociais que jamais devem despachar os pais na porta e sim sempre tê-los em algumas meias horas ou mais do dia juntos com os filhos, tato quanto possível. Agradeço ao vocês, combatentes da FMCSV!

  8. avatar

    Renata Simões Concordo plenamente com este artigo pois a educação infantil é a etapa principal da criança em formação e deve ser valorizada pois esta etapa quando bem desenvolvida será uma vitória para seu futuro. Devemos ter em mente que nesta faixa etária que a criança começa a adquirir autonomia , então o papel da família e educadores é dar espaço para esta criança desenvolver seu cognitivo, afetivo , motor e social não fazendo tudo por ela e sim deixando a livre para explorar todos os espaços onde estiver.Devendo também ficar atendo a linguagem que se utiliza com esta criança pois não é por que ainda esta em desenvolvimento que precisamos usar uma linguagem infantil com ela, pois esta atitude acaba prejudicando sua fala, expressar corretamente é a melhor forma de ajudar no desenvolvimento de seu filho ou filha.Outtro fato importante a criança precisa usar sua imaginação e nada mas justo que ela mesma produzir suas lembranças ou trabalhinhos pois além de incentiva-la, os pais adoram quando recebem algo que foi feito por eles.Então temos que ter em mente que a educação é uma etapa significativa na vida da criança e não somente momentos de cuidar mas sim estimular sempre para seu bom desenvolvimento. Quem ja atuou na area da educação infantil sabe como é gratificante este trabalho quando feito com amor, respeito e acima de tudo reponsabilidade .”Por pais, coordenadores, diretores ou outros menbros envolvidos nesta faixa etária devem respeitar e amar esses educadores pois são eles que passam maior parte do tempo com seus.O trabalho em equipe é essencial para que haja um bom discernimento nas atividades realiazadas e cada profissional que atua sabe seu nível dr desenvolvimento o que deve ser desenvolvido para o crescimento da criança respeitando sua maturidade e cada criança vai desenvolvendo sua moral e seu intelectual de acordo com a idade. Devemos sim precupar com sua formação moral mas jamais esquecer que ela precisa de todo um contexto familiar para que seu desenvolvimento seja favorável.

  9. avatar

    tenho uma filha de 1 ano e meio, quando devo colocar ela na creche, sendo que onde moro só tem uma creche para as crianças brincarem?

    • avatar

      Olá Marilene,

      Recomendamos que procure um profissional de educação de sua confiança para responder essa questão.

      Um abraço.

  10. avatar

    Boa noite. O q falar primeiro se são tantas as minhas indagações? praticamente um pedido de socorro p entender tantas leis e suas mudanças e o q ao longo da história td essa implicação em q as DCNEI e o RCNEI atestam ser importante e essencial na rotina p um bom resultado com nosso trabalho com a cça fica praticamente truncada qdo pela jornada d trabalho do professor, esse regime de funcionamento em rede municipal dxe d ser hora relógio de 60′ p 50’e isso se torna horas-aula!!! Como estabelecer em horas-aula uma boa aula se p esta cça em Creche integral o q mais se executa é o Cuidar em se tratando das necessidades básicas dela: trocar, alimentar, banhar, vestir, por p dormir… e o momento do pedagógico, digamos assim, fica fora disso? Como fazer a profe entender q o sistema em rede dv falar a msme língua? mas… pois bem. paro por aki… mas meu pedido de socorro ecoaaaaaaa…obgda pelo espaço.bju

  11. avatar

    Aqui na minha cidade, cabo de santo Agostinho, a cada 20 crianças são 2 professores. Um exemplo para o Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*