escola infantil

A escola: o segundo lar das crianças

Pesquisa do Banco Mundial apontou o que deve ser melhorado nas instituições de ensino brasileiras

Ensino para todos. Bons livros em uma biblioteca. Professores bem remunerados.  Merenda de qualidade. Sempre que ligamos a televisão ou buscamos alguma coisa na internet, fala-se muito sobre melhorias no sistema de Educação, especialmente, infantil. Mas, quais medidas são tomadas pelo governo por meio de programas de intervenção educacionais, a fim de melhorar esse quadro?

A Educação no Brasil foi abordada pela pesquisa chamada Educação Infantil: Programas para a Geração Mais Importante do Brasil realizada pelo Banco Mundial, traduzida e revisada por nós da Fundação Maria Cecília Souto Vidigal. O estudo destaca os progressos alcançados nos últimos anos por meio de políticas e de reformas efetivas e duradouras nas instituições educacionais. E também mostra como a Educação Infantil é importante, sobretudo para as crianças que nasceram em lares carentes, de Norte a Sul do país.

De acordo com o estudo, as crianças precisam ser beneficiadas com ensino bem-estruturado e que atenda as necessidades delas. Caso contrário, isso afetará seu aprendizado. Nas regiões Nordeste e Sudeste, por exemplo, percebeu-se que o ensino pré-escolar tem mais impacto nos pequenos cujos pais não são alfabetizados. Dessa forma, eles precisam estar em uma instituição escolar com infraestrutura adequada, com segurança e atividades que promovam o desenvolvimento físico, social e cognitivo.

A publicação informa que essas crianças mais carentes representam apenas uma parte pequena das matrículas em creches, pré-escolas privadas e até mesmo públicas. Elas precisam ir à escola, mas muitas vezes não há oferta de instituições de ensino, especialmente no meio rural.  O estudo ressaltou algumas diferenças na Educação das crianças. Aquelas que possuem mais recursos frequentam a creche três vezes mais e têm 24% mais chances de estarem na pré-escola. Esse resultado compromete a igualdade de oportunidades, e poderá ter impacto inclusive no mercado de trabalho.

Ao analisar o perfil dos municípios que mais investem na Educação Infantil, a pesquisa do Banco Mundial mostra que, ao contrário do que se possa imaginar, nem sempre os municípios mais ricos são os responsáveis pela expansão desse o investimento, pois, na maioria das vezes, eles são desiguais e não dependem do governo.

É o município carente e com menor desigualdade social que tende a fazer maior investimento público na área de Educação Infantil. Isso acontece quase sempre quando uma determinada localidade recebe verba do governo atrelada à construção de creches ou à manutenção das crianças pequenas em unidade educativas, o que provoca distribuição de renda e aumenta a oferta de instituições de ensino.

O comparativo com relação à Educação nas zonas rurais é preocupante, pois há escassez de alunos matriculados em creches e pré-escolas. As distâncias geográficas são as principais responsáveis por isso, e a solução sugerida pelo Banco Mundial é a criação de políticas que sirvam para a expansão criativa da Educação Infantil nessas regiões, em busca de uma maior igualdade de oportunidades.

Outras soluções sugeridas pelo estudo com relação à melhora do sistema educativo brasileiro começa na infraestrutura das instituições de ensino. Esse item tem grande impacto no desenvolvimento da criança. O ponto positivo apontado pela pesquisa é que houve melhora na qualificação dos professores. Contudo, o foco precisa estar na realização de atividades direcionadas ao estímulo infantil. Para aqueles que acompanham nosso blog, já falamos sobre a importância das políticas públicas e da influência dos pais no decorrer da Primeira Infância, pois é nesse período que o cérebro da criança mais se desenvolve. E é sempre bom lembrar que a Educação colabora para a diminuição da pobreza e dos índices de desigualdade social. Uma criança na escola é meio passo andado para que ela evite a criminalidade, não enfrente uma gravidez precoce, e consiga ser um adulto inserido na sociedade.

 Fotos: Leo Sanches

Comments

1
  1. avatar

    Eu Carmen Regina Schultz Teixeira concordo com a pesquisa que foi realizada pelo Banco Mundial que apontou as fragilidades que as crianças brasileiras estão enfrentando nas instituições de ensino, que realmente a educação precisa ser organizada para que o ensino seja de qualidade para melhor atender as crianças brasileiras tanto nas escolas, e também nas creches.

Deixe uma resposta para Carmen Regina Schultz Teixeira Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*