Amamentação: aliada contra doenças que afetam as mulheres

Você já sabe, e muita gente também, que a amamentação faz toda a diferença na vida dos bebês. Mas, o que muitos ainda não sabem é que amamentar também traz enormes benefícios à saúde das mães. Veja estas informações que selecionamos para você, que atua junto às gestantes, compartilhar com elas.

Para começar, vamos falar de pesquisas recentes sobre o tema. A primeira fez uma estimativa do impacto do tempo da amamentação na saúde das mães. Uma das conclusões, de cientistas da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, é que seriam evitados, anualmente, cerca de:

cinco mil casos de câncer de mama

53 mil casos de hipertensão

14 mil casos de infarto

Se o índice de mulheres que amamentam seus filhos, até eles completarem um ano, subisse dos atuais 23% para 90%.

Como você pode ver, os números são muito expressivos e alertam para a importância de incentivar a manutenção desse hábito no longo prazo – mesmo após a introdução de outros alimentos na dieta da criança.
Isso porque, falando do câncer especialmente de mama e ovário, alguns fatores de proteção presentes no leite materno acabam circulando no sangue da mãe, o que dificultaria o desenvolvimento do problema.

A segunda pesquisa avaliou especificamente a relação entre amamentação e pressão alta nas mães, desta vez entre 75 mil australianas com 45 anos ou mais, e concluíram que amamentar por seis meses durante a vida, mesmo que seja de forma fragmentada (três meses com um filho, três meses com o outro, por exemplo) reduz significativamente o risco de desenvolver hipertensão.

Para fundamentar essas conclusões, os pesquisadores australianos apresentaram algumas hipóteses, como a de que a amamentação pode alterar a estrutura dos vasos sanguíneos. Outro motivo seria a produção da ocitocina, um hormônio que inibe a secreção de substâncias relacionadas ao nervosismo e estresse. Mais um fator é o bem-estar causado, durante a amamentação, da proximidade com o bebê, o corpo a corpo, que alivia as tensões e traz benefícios, em longo prazo, à saúde cardiovascular da mãe.

O que muitas vezes impede as mães de amamentar é o medo e a falta de mais informações de como fazê-lo. Apesar de ser um ato natural na teoria, na prática, o processo pode ser difícil, porque, no início, nem a mãe nem o bebê sabe exatamente o que fazer. Muitas mulheres pensam em parar por motivos emocionais, cansaço ou desânimo com a demora do bebê para se adaptar ao peito. Segundo especialistas, raramente o motivo é fisiológico.
Por isso que seu papel, profissional que atua com gestantes, é tão importante nessa hora! A mãe precisa de apoio, precisa de “treino” para entender qual a melhor posição, como o bebê tem de pegar o peito, como retirar e guardar o leite quando precisar ausentar-se e assim por diante. Com certeza, sentindo-se mais segura e sabendo que a amamentação vai trazer-lhe mais saúde, a mamãe acabará se adaptando.
Além disso, ela também já sabe o quanto esse ato de amor protege o seu bebê de doenças, ajudando-o a se desenvolver muito mais fortalecido.

Se quiser ler mais sobre o assunto, clique aqui para ter acesso à matéria que inspirou este post. Confira também o que a Enciclopédia da Criança traz sobre o tema.

Comments

5
  1. avatar

    amamantar um bb de um ano e 5 meses em um peito so pode ?

    • avatar

      Janicleide, a amamentação é recomendada até os dois anos, pelo menos. Se só um peito produz o leite, pode sim. Mas é importante conversar com o pediatra a respeito. Abs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*