#CrecheMelhor – O que não pode faltar?

Afinal, o que é preciso para que a creche ajude a promover o desenvolvimento infantil? Quais aspectos prevalecem quando se pensa nas necessidades das crianças, das famílias e no que esse espaço tem a ofertar? Com a palavra, os especialistas.

As respostas para estas perguntas não estão embasadas apenas no conhecimento dos especialistas, mas, sobretudo, nos apontamentos das famílias sobre suas necessidades, expectativas e o que entendem ser importante para seus filhos como frequentadores de creches. Informações contidas e compiladas pela pesquisa “Primeiríssima infância Creche – Necessidades e Interesses de Famílias e Crianças”, realizada pelo Ibope e Fundação Maria Cecilia.

Com base nos dados e na experiência com o tema, os especialistas afirmam que uma boa creche tem de ter uma equipe intimamente ligada à lógica da educação infantil e do que a criança de zero a três anos precisa: cuidado, estímulo e afeto.

Também é essencial que o gestor e sua equipe criem mecanismos para afinar e estreitar as relações da família com esses espaços educativos. Não adianta, por exemplo, mostrar aos pequenos hábitos de higiene que não serão reproduzidos em outros espaços, como as suas casas. Por isso, conhecer as famílias, suas realidades e ajudá-las a compreender o que é importante para suas crianças se tornam imprescindíveis nessa relação. Ao mesmo tempo, é fundamental garantir aos pais ou responsáveis momentos em que possam mostrar aspectos que lhe são valiosos e que gostariam que a creche também respeitasse.

A rede não pode abrir mão de profissionais capacitados em todas as unidades da cidade, que recebam, também, uma formação continuada. Isso significa que a gestão municipal tem de garantir não apenas professores com diplomas e ensino superior, mas que estejam conectados à prática, devidamente preparados para interagir positivamente com a criança. Ao mesmo tempo, é fundamental dar condições para que esses professores atuem com a eficiência esperada. Nada de superlotação nas salas e de falta de profissionais.

Depois de preparar o capital humano, é importante construir um projeto político pedagógico de acordo com as necessidades das crianças, respeitando os marcos do desenvolvimento infantil e, especialmente, garantindo o que é muito importante na primeira infância: o brincar livre e o brincar com a intencionalidade pedagógica.

Os espaços em que as interações e brincadeiras acontecem devem ser seguros, bem estruturados, oportunizando atividades ao ar livre, com sol, livros e brinquedos acessíveis às crianças, materiais que estimulem a criatividade, dentre outros equipamentos.

Por fim, o gestor municipal tem de mobilizar as diferentes pastas para construir uma grande rede de cuidado que garanta a articulação intersetorial das áreas ligadas à primeira infância para que condições desfavoráveis de desenvolvimento possam ser superadas no município.

Essa radiografia de como a rede de creches de uma cidade pode ser precisa embasar os gestores públicos na hora de criar programas e políticas públicas que façam valer a vaga e a qualidade das creches, direitos garantidos a cada criança que, como qualquer adulto, é uma munícipe.

Aproveite para ler ou reler os textos anteriores desta série:

Tem idade certa para frequentar a creche?

Quais vantagens as creches de sua cidade oferecem às crianças e suas famílias?

Como superar as desvantagens das creches de seu município?

Depois, confira a íntegra da pesquisa “Primeiríssima infância Creche – Necessidades e Interesses de Famílias e Crianças”, clicando aqui.

Confira a página Desenvolvimento Infantil, da Fundação Maria Cecilia, no canal do Youtube. Acesse, assine o canal e compartilhe o que é preciso saber sobre a primeira infância.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*