Férias: vamos brincar com as crianças?

Por meio das brincadeiras, a criança descobre o mundo, cria teorias e hipóteses, desenvolve a criatividade e, sobretudo, sente-se livre e feliz. Por isso, listamos algumas ideias para você curtir com os pequenos. Afinal, também é essencial alimentar a criança que existe em você!

Durante o ano, a gente entrevistou alguns especialistas e muitos tocaram a mesma tecla: brincar é essencial ao desenvolvimento infantil. Também lembraram que a criança tem de ter momentos para brincar sozinha, com seus pares e, também, com os adultos.

As ideias trazidas aqui são pra você interagir com ela, lembrando o que Renata Meirelles, do Território do Brincar, nos disse em sua entrevista:

“Precisamos abandonar esse discurso de que o adulto não sabe brincar ou, ainda, de que a criança de hoje não sabe brincar como a criança de antigamente. O brincar é de todos, está em todos e se realiza na ação, no cantar junto, no correr e pular. Na alegria, na liberdade, na diversão. É dessa forma que se cria vínculo, empatia, autonomia. Todos são capazes disso, crianças e adultos”.

Antes de começar a diversão, vale ressaltar que:

  • As atividades escolhidas precisam estar de acordo com a idade da criança.
  • Crianças mais novas necessitam de mais tempo para entender regras e coordenarem-se nos jogos. Fale devagar e demonstre um passo de cada vez.
  • O tamanho do desafio também tem de ser considerado e estar nivelado à capacidade das crianças.

 

Vamos lá!

Adoletá (a partir dos 4 anos)
Os participantes sentam em círculo e intercalam as palmas das mãos viradas para cima, de modo que a mão direita de um bata na palma da mão direita do integrante à esquerda. Assim que o integrante for tocado, deverá bater na palma do participante seguinte e assim por diante. As palmas seguem a silabação da música:

“A-do-le-tá
Le peti
Tole tolá
Le café
Com chocolá
A-do-le-tá
Puxa o rabo do tatu
Quem saiu foi tu!”

Quando a cantiga terminar, o último participante a ser tocado será eliminado e o jogo recomeça, até restar um. O participante que está na berlinda também pode tentar tirar a mão e, assim, se salvar.

O mestre mandou (a partir dos 4 anos)
Um dos participantes é encarregado de ser o mestre e ficará a frente dos outros jogadores. Ele dará as ordens e todos os seguidores deverão cumpri-las desde que sejam precedidas das palavras de ordem: “O mestre mandou”.

As ordens que não começarem com essas palavras não devem ser obedecidas. Por isso, esse é um jogo que exige bastante atenção, uma vez que será eliminado aquele que não cumprir as ordens ou cumprir as ordens sem as palavras de comando.

A diversão está na dificuldade das tarefas dadas pelo chefe, que pode pedir, por exemplo, que os seguidores tragam objetos de determinada cor ou façam uma sequência de atividades de uma vez só, como: “O mestre mandou… pular de um pé só mostrando a língua, girando e batendo palma!”

Serpente (a partir dos 3 anos)
A brincadeira é semelhante ao pega-pega, mas cada jogador que é pego dá a mão para o pegador e também começa a perseguir os outros participantes.

Cada jogador capturado se une formando uma grande corrente. Quanto maior a serpente, mais difícil será para os perseguidores alcançarem os perseguidos. Será necessária muita criatividade para bolar estratégias que possam ajudar na captura, como formar um ‘paredão’ para não deixar ninguém passar.

Dica: com grupos grandes, faça uma disputa entre serpentes. Divida os jogadores em equipes de 4 a 6 crianças, unidas pela cintura em fila indiana. Quem estiver na frente é a ‘cabeça’ da serpente e deve perseguir e pegar o último jogador (a cauda) das outras serpentes. Ao mesmo tempo, deve proteger a própria ‘cauda’.

Você também pode encontrar outras brincadeiras nos sites: Tempo Junto; Q Divertido; e na Cartilha das Brincadeiras.

Fonte: Brincadeiras 

Leia mais

Jogos de rua para brincar na creche ou na escola

Pega-pega, corrida de saco… Exercite a criança, antes que seja tarde

Confira a página Desenvolvimento Infantil, da Fundação Maria Cecilia, no canal do Youtube. Acesse, assine o canal e compartilhe o que é preciso saber sobre a primeira infância.

Comments

2
  1. avatar

    Hoje conheci um pouco da Fundação Maria Cecilia, estou encantada e feliz pois há treze anos coordeno uma instituição que atende crianças de 00 a 5 anos e 11 meses de idade, a creche é de cunho filantrópico, gostaria de conhecer melhor essa tão nobre fundação Maria Cecilia em prol da primeira infância.obrigada. Amo a educação infantil!

    • avatar

      Olá, Maria José. Muito bacana o seu amor pela educação infantil e pela primeira infância! Para saber mais sobre nossa atuação, visite o site http://www.fmcsv.org.br . Nele você encontrará muitas informações e um acervo digital com vídeos e publicações que podem apoiar o seu trabalho. Forte abraço e continue acompanhando nosso blog.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*