Vera Iaconelli fala sobre as relações mãe, pai e filhos nesta entrevista exclusiva

A psicanalista é uma das especialistas que dão seu depoimento no filme “O Começo da Vida”. Neste post, Vera discute temas como as novas estruturas familiares, a maternidade, a paternidade e os preconceitos que ainda persistem nessas relações.

Fundação Maria Cecília Souto Vidigal – No filme “O Começo da Vida”, você faz vários depoimentos. Em um deles você define bem as relações mãe, pai, filho e a importância desses vínculos para o bom desenvolvimento da criança.
Vera Iaconelli – Bate-se muito na tecla mãe e bebê, mas existe o pai e outros agentes do entorno para participar do desenvolvimento da criança. No caso do pai, ele é o lastro e o trampolim para a coletividade, porque mostra à criança que a vida vai além da mãe. Ainda vivemos uma idealização feroz da maternidade e, ao mesmo tempo, uma desconstrução de alguns paradigmas. No entanto, temos de saber a medida certa, tomar cuidado para não exagerar, não normatizar, para não trocarmos simplesmente uma norma por outra.

FMCSV – Uma idealização que ressalta a mãe supermulher, que dá conta de tudo…
VI – Exatamente. Fantasia-se demais sobre essa figura, colocando o bebê sob seus cuidados, desonerando todos os outros da responsabilidade pela criança, seja o pai, os familiares ou o Estado. É claro que existem interesses econômicos em jogo aí também. Há também uma visão de pais e mães como heróis, uma idealização que nos é muito cara, porque esses pais e mães acabam tendo muita dificuldade de sair desse lugar narcísico. Essa onipotência cria dificuldades para fazermos pelos nossos filhos o que é possível em uma conjuntura social que é individualista. Hoje os pais de diferentes famílias não se ajudam, não trocam. Quando acontece algo com os filhos, eles correm até o especialista, fazem pesquisas na internet, mas não se conversam. Não se colocam entre pares.

FMCSV – No caso da mãe, parece que essa idealização é mais potencializada.
VI – O nascimento do bebê é a fase onde essa idealização é mais clara. Ouve-se muito que ser mãe é alcançar a plenitude da mulher, que ao olhar para o recém-nascido ela pensa “sempre te amei”. Mas a realidade não é essa. O bebê é desconhecido até nascer e leva um tempo para vir a sê-lo. Nem a mãe, nem as pessoas a sua volta entendem, de fato, o que é o parto, ter um bebê, adotar uma criança. Tudo isso é um estranhamento natural estrutural necessário. Além disso, a mulher passa por uma série de experiências muitas vezes traumáticas. Várias mães sofrem violência obstétrica, passam por constrangimentos, em alguns casos, são medicadas sem necessidade, atos que denotam negligência sobre o corpo da mulher porque acontecem dentro de uma instituição que, a priori, deveria cuidar dessa mãe. Tudo isso dificulta o encontro delicado entre mãe e bebê. Não esqueçamos que essas experiências também têm efeitos sobre os pais, embora nunca se fale disso.

FMCSV – Falando em pai, como ele fica nessa história? Cada vez mais há o entendimento de que ele deve participar de tudo, desde o pré-natal, mas nem todos ainda aderiram a essa postura.
VI – Muitos ainda acreditam que o papel do pai é “ajudar” a mãe. Na verdade, ele tem o mesmo compromisso de cuidar da criança. Precisamos conscientizá-lo disso. Historicamente, os homens são criados para acreditar que não têm competências para a paternidade. Na infância, por exemplo, não são autorizados a brincar com bonecas, de casinha, ainda que o desejem. A maneira como são educados dá a entender que essas tarefas são pouco viris, que não são coisas de homem, mas na vida adulta são cobrados a participar, o que é um paradoxo. Eles têm de aprender como ser pais e muitos sofrem preconceitos. Aqueles que ultrapassam essa barreira, às vezes têm de vencer outra: o ressentimento da mãe que acha que ela deveria dar conta de tudo sozinha, ou seja, que uma boa mãe não precisaria de ajuda para cuidar do filho. Isto tem efeitos sobre o casal, pois a entrada do homem nos cuidados com a criança pode ser atrapalhada, especialmente se o pai sabe como agir, quando esbarra na fantasia de onipotência da mãe, essa idealização de perfeição que ela carrega. Nesse desencontro, muitos casais se separam ou ficam estremecidos. Quando os casais se dedicam aos filhos equilibradamente, as chances da relação dar certo são bem maiores. Ainda há muita confusão nessa comunicação entre mãe e pai, mas a tendência é melhorar. Por isso, é essencial que existam políticas públicas que apoiem as famílias, oferecendo condições para que assumam os seus papeis.

FMCSV – No filme “O Começo da Vida” você chama atenção às novas configurações familiares e como é importante vencer preconceitos.
VI – Com certeza. O preconceito é algo que perpassa a todos e que precisa ser enfrentado diariamente. A arte e a ciência têm importante papel na mudança desse olhar, transformando mentalidades e legitimando as novas configurações. Cada vez mais as pessoas estão trabalhando esses conceitos de família e não tem como ser diferente porque as crianças que vivem nelas estão aí, dando certo. Não adianta mais bater na tecla de que isso não funciona, porque funciona, sejam casais homoafetivos, pais solteiros, crianças criadas por avós ou em instituições. Estamos no momento de sustentar tudo isso para que a criança sinta que de onde ela vem é um lugar digno. Se a família é a catapulta para o coletivo e se o coletivo não acolhe essa criança, é porque nós estamos errados, sendo preconceituosos. As condições para criar uma criança não passam pelo casal heterossexual. Para gerar um filho precisamos de um homem e de uma mulher nascidos como tais, mas isso não diz nada do gênero (homem, mulher, trans…) ou da orientação sexual (hetero, homo, bi…). Não existe vínculo masculino, feminino, homossexual ou heterossexual. Existe, e tem que existir, afeto, amor, diálogo e respeito.

Vera Iaconelli é psicanalista, mestre e doutora em psicologia pela USP, autora do livro “Mal-estar na maternidade” (Annablume, 2005), diretora do Instituto Gerar de psicologia perinatal e parental e membro do fórum do campo lacaniano.

 

Leia mais

Mais apoio a famílias. Direito garantido pelo Marco Legal da Primeira Infância

Como garantir qualidade de atendimento a famílias com crianças pequenas

 

Confira a página Desenvolvimento Infantil, da FMCSV, no canal do Youtube. Acesse, assine o canal e compartilhe o que é preciso saber sobre a Primeira Infância.

Comments

3
  1. avatar

    Oi pessoal
    Esse site é mesmo surpreendente, queria dar os parabéns pelo trabalho de vocês.
    Sempre é bom obter novos conhecimentos, obrigado ;)

  2. avatar

    Bacana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*