Você acha que a sociedade cuida da Primeira Infância?

Está é a grande reflexão trazida pelo filme “O Começo da Vida”, que nos coloca diante de uma questão decisiva para o futuro do país e do mundo. Convidado pelo BID a escrever um artigo a respeito, Fernando Rossetti* ressalta a importância de a sociedade priorizar esse tema, e explica por quê.

Em meados de abril, em um evento internacional sobre a Primeira Infância, a jornalista internacional Femi Oke abriu a moderação dizendo que esse tema está “na crista da onda”. Que bom, porque trabalhamos ativamente para que a Primeira Infância seja foco de políticas públicas prioritárias, e esteja sempre na agenda como tema relevante para o nosso país.

Nosso maior desafio tem sido o de comunicar à sociedade como essa etapa da vida pode definir o futuro das pessoas e de toda uma nação, usando como argumentação os achados científicos dos últimos anos, especialmente da Neurociência.

As famílias precisam entender quais cuidados e olhares devem mudar na gestação, no nascimento e nos seis primeiros anos, para que seus filhos tenham a chance de um futuro mais promissor e, consequentemente, a sociedade também.

A Ciência já tem respostas. Tudo começa na formação do cérebro humano que, só nos dois primeiros anos de vida, realiza cerca de 700 conexões neurais a cada segundo. Esse processo vai se configurando também com base nos estímulos externos que o feto, e depois o bebê, recebe de seus cuidadores.

Entornos seguros, com fortes vínculos amorosos e estimulantes fazem toda a diferença no desenvolvimento da criança, afetando a sua vida adulta. Ou seja: o vínculo ou apego é essencial, porque ajuda a criança, entre tantos benefícios, a desenvolver competências cognitivas e sociais, a identificar suas emoções ao interagir com seu meio e a ter menos propensão a problemas de internalização e exteriorização.

Uma pesquisa da Fundação Maria Cecília Souto Vidigal (FMCSV) e do IBOPE, de 2012, mostrou que a sociedade brasileira ainda não adquiriu esse pleno entendimento. Dos entrevistados, só 22% acharam que a criança começa a aprender no útero. Apenas 12% consideraram prioritário ela receber carinho e afeto. Outros poucos 19% ressaltaram ser de extrema importância brincar e passear com os pequenos.

Para mudar esse olhar, e com o objetivo de levar conhecimento para a sociedade, uma iniciativa da FMCSV, em parceria com o Instituto Alana, a Fundação Bernard Van Leer e o Unicef, é o lançamento do documentário “O começo da vida”, que estreia hoje, 5 de maio nos cinemas.

O filme, uma produção sensível e única, dirigido por Estela Renner, mostra os desafios de famílias brasileiras e de oito países de diferentes culturas, gêneros e níveis socioeconômicos na criação de seus filhos.

As vivências são intercaladas pela fala de especialistas renomados, como a psicanalista Vera Iaconelli, o Dr. James Heckman, Prêmio Nobel de Economia, e o Dr. Jack Shonkoff, do Center on The Developing Child, de Harvard, trazendo ao cotidiano familiar a referência científica sobre o olhar cuidadoso para a importância dos primeiros anos.

O Começo da Vida” convida todos a refletir como sociedade: estamos tomando cuidado desse momento único, que define tanto o presente quanto o futuro da humanidade?

*Fernando Rossetti é sócio da empresa de consultoria GIP (Gestão de Interesse Público), formado em Ciências Sociais pela Unicamp (1987), com especialização Human Rights Advocates Training Program pela Columbia University (1997). É vice-presidente do Conselho Curador da Fundação Maria Cecilia De Souto Vidigal.

Este artigo foi publicado, originalmente, no blog Ideação, do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Para acessá-lo, clique aqui.

Leia mais

Por que o foco é a Primeira Infância?

Por que uma boa Primeira Infância faz diferença na vida adulta?

 

Confira a página Desenvolvimento Infantil, da FMCSV, no canal do Youtube. Acesse, assine o canal e compartilhe o que é preciso saber sobre a Primeira Infância.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*