Você convive com crianças? Então precisa ler este texto!

Uma série de publicações da conceituada revista médica The Lancet traz informações importantes para que possamos atuar no desenvolvimento infantil de forma integral e eficiente. A ideia da série é discutir, com base no conhecimento científico, temas centrais que promovam uma primeira infância saudável em todos os níveis. 

A notícia foi publicada no blog do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Nele, estão, de forma sucinta, os quatro principais temas trazidos pela série da revista The Lancet que devem pautar a atuação de quem trabalha com a primeira infância (período que abrange do nascimento aos seis anos de vida). Destacamos as quatro mensagens aqui:

Educação precoce de qualidade – ou seja, uma educação que começa no útero e acompanha a criança por toda a vida, oferecida pelas boas experiências que ela deve vivenciar com sua família e os adultos de referência, ou seja, aqueles com quem convive todos os dias. No que se refere a políticas públicas, o artigo destaca a necessidade de se pensar em programas que apoiem as famílias para que possam exercer o seu papel da melhor maneira.
Combate à pobreza – o desenvolvimento de crianças em situação de vulnerabilidade social e econômica corre muitos riscos se as oportunidades de Saúde, Educação e Assistência Social não forem de qualidade. Riscos estes que irão repercutir no desenvolvimento humano e econômico dos países (pessoas despreparadas e com saúde frágil, mão de obra ineficaz, dentre outros aspectos que impedem o crescimento sustentável da sociedade).
Programas multidisciplinares – iniciativas que criem ações (ou intervenções) que reúnam as diversas áreas que acolhem e cuidam da criança, desenvolvendo um olhar integral e integrado sobre seu bem-estar. Um ponto importante é definir a área que irá protagonizar essa integração (Saúde, Educação, Desenvolvimento Social…).
Escalar programas que dão certo – o texto indica que já existem políticas públicas que geram essa integração em alguns países, como é o caso do Chile. Nós acrescentamos uma experiência bem-sucedida que tem avançado no Estado de São Paulo. Mas, para que qualquer solução alcance escala, é preciso, dentre outros aspectos, da vontade política e de uma gestão afinada com as necessidades da primeira infância.

Vale a pena conhecer os artigos da The Lancet na íntegra para tirar subsídios ao seu trabalho, seja em qualquer área de conhecimento focada nos primeiros anos de vida.

Fonte: Blog Primeiros Passos (BID)

Leia mais

Precisamos falar sobre os direitos da primeira infância!

Todas as famílias exercem a parentalidade. Você sabe o que é isto?

Confira a página Desenvolvimento Infantil, da Fundação Maria Cecilia, no canal do Youtube. Acesse, assine o canal e compartilhe o que é preciso saber sobre a primeira infância.

Comments

4
  1. avatar

    Tenho uma dúvida! Por quanto tempo um bebê pode ficar dentro de um salão de beleza, onde se mexe com química para tingimento,alisamente, escova progressiva e definitiva?

    • avatar

      Olá, Maria Isabel Primon Farinazzo. Não temos essa resposta. A melhor maneira de tirar a sua dúvida é conversando com um pediatra para entender até que ponto essa exposição pode ou não interferir no bem-estar da criança. Abraços e boa sorte.

  2. avatar

    Trabalho com foco na qualidade do cuidado de criancas em creches. Existe grande dificuldade, na cidade de São Paulo de integrar ações entre serviços educacionais e de saúde com vistas a promoção do crescimento e desenvolvimento saudável. Tenho vários casos de criancas que acompanho que evidencia essa constante dificuldade. Damaris Gomes Maranhão damarisgomesmaranhao@gmail.com

  3. avatar

    Muito bom os apontamentos… devemos repensar o lugar da infância hoje em nossa sociedade pois seus significados vão além do infantil. Coisas que costumam ser confundidas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*